Manhã de Formação ICJA

Manhã de Formação ICJA

PEREGRINAÇÃO MARIANA DOS PERSEVERANTES

PEREGRINAÇÃO MARIANA DOS PERSEVERANTES

quinta-feira, 27 de abril de 2017

‘Iniciação Cristã’ será tema central da 55ª Assembleia Geral da CNBB


Os bispos do Brasil irão se reunir para 55ª Assembleia Geral da CNBB (AG CNBB), de 26 de abril a 05 de maio de 2017, em Aparecida (SP), nessa ocasião as discussões, estudos e decisões serão em torno do tema “Iniciação Cristã”.

O presidente da CNBB, cardeal Sérgio da Rocha, arcebispo de Brasília (DF) explicou por que esse tema é necessário ser trabalhado na 55ª Assembleia Geral da CNBB. 
Os bispos do Brasil irão se reunir para 55ª Assembleia Geral da CNBB (AG CNBB), de 26 de abril a 05 de maio de 2017, em Aparecida (SP), nessa ocasião as discussões, estudos e decisões serão em torno do tema “Iniciação Cristã”.
O presidente da CNBB, cardeal Sérgio da Rocha, arcebispo de Brasília (DF) explicou por que esse tema é necessário ser trabalhado na 55ª Assembleia Geral da CNBB. 

“Vamos recordar que estão em vigor as Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja e nelas uma das cinco prioridades é a Igreja como casa da iniciação cristã, então a Assembleia deste ano pretende trabalhar de maneira especial esse desafio [...] a iniciação cristã se aplica aqueles que estão sendo iniciados na fé, sejam crianças, adultos, ou jovens. Nós estamos precisando dar mais atenção à iniciação cristã, isto é, à catequese primeiramente, mas também aos ritos de iniciação cristã, a começar do Batismo que precisa ser mais valorizado, melhor preparado e vivenciado”, explanou.
A 55ª Assembleia Geral da CNBB é o maior encontro do episcopado brasileiro. Mais de 300 bispos ativos e eméritos, dos dezoito regionais da CNBB, participam dos trabalhos da Assembleia Geral realizada com celebração da missa com laudes, das 7h30 às 8h45, no Santuário Nacional de Aparecida e demais atividades no Centro de Eventos Padre Vítor Coelho de Almeida.

Fonte: http://www.a12.com/noticias/detalhes/iniciacao-crista-sera-tema-central-da-55a-assembleia-geral-da-cnbb

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Início da 55ª Assembleia Geral da CNBB em Aparecida

Hoje, 26/04, ás 22 horas, teremos o programa especial da 55ª Assembléia Geral da CNBB ao vivo de Aparecida com a colaboração de D. Odilo Pedro Scherer, D. Murilo de Salvador e D. Joel do Rio de Janeiro.
Conjuntura Eclesiástico, tema central, início da Assembléia Geral da CNBB e suas perspectivas.


segunda-feira, 24 de abril de 2017

Novo livro para a Catequese Infantil

Foi lançada este mês a atualização do volume 1 do material didático da Catequese Infantil chamado “Anuncio uma Grande Alegria!”, que tem duas publicações: o “Livro do Catequizando”, com 112 páginas, e o “Livro do Catequista”, com 172. O volume 2 será lançado ano que vem. O novo material está totalmente repaginado. Conta com novos personagens e papel e tipografia diferentes da versão antiga. Foi resultado do trabalho em conjunto da Comissão da Iniciação Cristã.
A renovação dos livros da Catequese se tornou uma necessidade devido à implantação do processo catecumenal na arquidiocese. “Esse processo pede que façamos um trabalho de fundo mais querigmático, mais progressivo”, explicou a irmã Lúcia Imaculada, da Congregação de Nossa Senhora de Belém, responsável pela Comissão da Iniciação Cristã.
Ela explicou que o trabalho querigmático na Catequese é mais voltado ao incentivo à vivência da vida cristã como um todo e não apenas voltado à sacramentalização como era feito no livro anterior.
Desde os primeiros rascunhos das ilustrações dos livros, feitos pelo padre Renan Féres Ferreira, responsável pelo design gráfico e parte da diagramação até a revisão e publicação, foram quatro anos de trabalho em equipe, que passaram por dois anos de testes em aulas de catequese de cinco vicariatos. “Acreditamos que todo material, ainda mais o material catequético, que vai para um grupo tão diverso na arquidiocese, precisa ser construído. Houve muitos encontros da equipe redatora com os catequistas que fizeram a experimentação antes da publicação. Foi um trabalho primeiro testado, avaliado e questionado pelo grupo, para termos a certeza de que será útil para o catequizando. Porque, afinal, ele é o nosso público alvo”, pontuou a religiosa.
O livro é utilizado em toda a arquidiocese como forma de unificar o ensino e produzir unidade, conforme sempre pede o pastor da arquidiocese, Cardeal Orani João Tempesta. “Esse livro é uma grande surpresa porque inova. Eu percebi, durante o tempo de testes, que nós construímos a fé das crianças. E esse livro proporciona essa construção porque é um livro dialogado, querigmático, em que os conteúdos são dados aos poucos. Ele vai acompanhando o amadurecimento da criança”, afirmou a catequista Ana Lucia do Rosário Rodrigues, da Paróquia Santa Teresinha do Menino Jesus, no Vicariato Santa Cruz, catequista há mais de 20 anos. Ela foi uma das que participaram da fase experimental do novo material.

A importância dos sacramentos da “Iniciação Cristã” na Igreja

A Assembleia Geral da CNBB, ocorrendo entre os dias 26 de abril e 04 de maio, está debatendo a importância da Iniciação à vida Cristã na Igreja e, consequentemente, também os sacramentos do Batismo, da Confirmação (ou Crisma) e da Eucaristia. Não se pretende, evidentemente, esgotar o amplo assunto, que tem um texto base para ser debatido e posteriormente votado para um futuro documento de nossa conferência episcopal sobre tão importante questão.
A iniciação à vida cristã tem um dinamismo próprio, que nos vem da antiga tradição da Igreja e que tanto necessitamos hoje. A nossa Arquidiocese tem um trabalho já há um bom tempo sendo construído e aprofundado.
No passado tínhamos a preparação para os Sacramentos, agora a ênfase é a vida cristã, porém sempre é importante, nestes momentos de definição, aprofundarmos um pouco sobre os Sacramentos ligados à Iniciação Cristã.
É bom recordar a importante definição teológico-linguística do termo Sacramento de acordo com a explanação feita pela Igreja: “A palavra grega mysterion foi traduzida, no latim, por dois termos: mysterium e sacramentum. Na segunda interpretação, o termo sacramentum exprime prevalentemente o sinal visível da realidade oculta da salvação, indicada pelo termo mysterium. Neste sentido, o próprio Cristo é o mistério da salvação: ‘Nem há outro mistério senão Cristo’ (Santo Agostinho. Epistulale 187, 11,34: Patrologia Latina 33,845). A obra salvífica da sua humanidade santa e santificadora é o sacramento da salvação, que se manifesta e atua nos sacramentos da Igreja (que as Igrejas do Oriente chamam também ‘os santos mistérios’). Os sete sacramentos são os sinais e os instrumentos pelos quais o Espírito Santo derrama a graça de Cristo, que é a Cabeça, na Igreja, que é o seu Corpo. A Igreja possui, pois, e comunica a graça invisível que significa: e é neste sentido analógicoque é chamada ‘sacramento’”. (Catecismo da Igreja Católica, n. 774)
Como se vê, podemos formular a seguinte interpretação do conteúdo sacramental na vida eclesial: ele é um sinal (semeion, em grego) eficiente que realiza aquilo que significa ou assinala. Desse modo, teríamos uma importante definição: a santíssima Humanidade de Cristo é o sinal eficiente ou transmissor da graça divina; a Igreja, Seu Corpo Místico prolongado na História (cf. Cl 1,24) também o é. Ora, a Liturgia dessa mesma Igreja continua essa função com seus ritos sagrados, oferecendo aos fiéis sete canais da graça divina a nos levar à vida eterna, à qual todos somos chamados, dado sermos filhos no Filho (cf. Gl 4,5). Eis, porque podemos fazer um esquema de quanto foi dito: Vida Eterna → Jesus Cristo → Igreja → Sete Sacramentos → Graça Santificante → Cristão.
Importa, aliás, a propósito da eficácia – e não do mero simbolismo – sacramental, recordar Tertuliano (falecido em 220 aproximadamente), ao escrever sobre o Batismo e a Eucaristia, em vista da ressurreição do corpo e da alma no último dia (cf. Jo 6,40), que “A carne é o eixo da salvação... Lava-se o corpo a fim de que a alma seja purificada; unge-se o corpo a fim de que a alma seja consagrada... O corpo é nutrido pelo Corpo e Sangue de Cristo, a fim de que a alma se alimente de Deus... Não podem, pois, ser separados na recompensa, já que estão unidos nas obras de salvação”. (Sobre a Ressurreição da Carne 8, Patrologia Latina 2,852)
Santo Agostinho de Hipona († 430) também ensinava: “O que vedes, caríssimos, na mesa do Senhor, é pão e vinho; mas esse pão e esse vinho, acrescentando-se-lhes a palavra, tornam-se corpo e sangue de Cristo… Tira a palavra, e tens pão e vinho; acrescenta a palavra, e já tens outra coisa. E essa outra coisa o que é? Corpo e Sangue de Cristo. Tira a palavra, e tens pão e vinho; acrescenta a palavra, e tens um sacramento. A isso tudo vós dizeis: ‘Amem’. Dizer ‘Amem’ é subscrever. ‘Amem’ em latim significa: ‘É verdade’”. (Sermão 6,3)
Os sacramentos não representam apenas, mas efetuam ou realizam aquilo que significam, uma vez que a Palavra de Deus é viva e eficaz, de modo que, no plano salvífico, a palavra proclama o feito divino e o feito confirma essa palavra. Daí se poder afirmar que temos a Palavra → Feito e, em contrapartida complementadora, o Feito → Palavra. Daí se entender que o contato do cristão com Cristo, o Mestre, não se dá como em uma escola de Filosofia da Antiguidade ou de qualquer outra época, de modo apenas psicológico ou afetivo. Ao contrário, é uma união ontológica (do ser): o cristão é tocado, diretamente, por Cristo por meio dos sete sacramentos da Igreja, transmissores da graça divina a cada homem e mulher de todos os tempos e lugares.
Isso é o que nos ensina a propósito da relação Palavra e Feito, o Concílio Vaticano II: “Esta ‘economia’ da revelação realiza-se por meio de ações e palavras intimamente relacionadas entre si, de tal maneira que as obras, realizadas por Deus na história da salvação, manifestam e confirmam a doutrina e as realidades significadas pelas palavras; e as palavras, por sua vez, declaram as obras e esclarecem o mistério nelas contido. Porém, a verdade profunda tanto a respeito de Deus como a respeito da salvação dos homens, manifesta-se-nos, por esta revelação, em Cristo, que é, simultaneamente, o mediador e a plenitude de toda a revelação”. (Constituição Dei Verbum, n. 2)
Isso posto, convém que digamos uma palavra a propósito da ação dos Sacramentos na Igreja. Ela ensina que todo sacramento age ex opere operato, ou seja, por efeito próprio ou do rito em si, de modo que independe da santidade do ministro humano aplicador do rito. Em outras palavras, cada um dos sete sacramentos age por força própria, porque é Cristo, o ministro principal, a agir garantindo a autenticidade do rito, desde que nesse rito sejam utilizadas a matéria e a forma própria (na Eucaristia, a matéria é o pão e o vinho e a forma a repetição das palavras do Senhor na última Ceia).
Por aí vemos que Cristo age nos sacramentos não obstante a indignidade, maior ou menor, do ministro que O representa. O pecado ou a infidelidade do ministro não afetam a validade do sacramento. Por exemplo, um sacerdote pouco digno que celebre a Eucaristia, sendo validamente ordenado, aplicando a matéria e a forma apropriadas e tendo a intenção de fazer o que fez o Senhor Jesus, celebra de modo válido para o bem do Povo de Deus. Certo é que se espera do ministro ordenado que aja como tal e não à moda de um mero funcionário do sagrado e sem fé. Deve ele ter os mesmos sentimentos de Cristo (cf. Fl 2,5). Todavia, esse aspecto pessoal do ministro não invalida o sacramento, conforme já apontava São Tomás de Aquino na Suma Teológica III, q. 6, at. 4.
Com os sacramentos – que não dependem de forças tão somente humanas, mas da ação divina – não há dispensa do receptor de ter boas disposições a fim de que a graça recebida dê frutos. Quem recebe um sacramento em estado objetivo de pecado, além de não alcançar a graça daquele sacramento, ainda comete mais um pecado, o do sacrilégio, como lembra o Apóstolo Paulo no que concerne à Eucaristia (cf. 1Cor 11,29).
Isso porque, apesar da ação divina objetiva no sacramento, Deus respeita a liberdade de cada fiel, de modo que Santo Agostinho de Hipona podia afirmar: “Aquele que te criou sem ti, não te salva sem ti”. Quem se fecha à graça comete o pecado contra o Espírito Santo, pecado impossibilitador da salvação eterna (cf. Mt 12,31-32). É o caso em que Deus tudo faz pelo ser humano, mas este O responde com desdém, desperdiçando a graça oferecida e, por conseguinte, afastando-se d’Ele.
Diante desse quadro é que importa, e muito, a reflexão sobre a iniciação à vida cristã, que sejamos ajudados pela compreensão dos três sacramentos – canais da graça divina: o Batismo, a Crisma e a Eucaristia.

Aurtor: Cardeal Orani João Tempesta

Arcebispo da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro

Fonte: http://arqrio.org/formacao/detalhes/1740/a-importancia-dos-sacramentos-da-iniciacao-crista-na-igreja