Atenção Vicariato Suburbano!

Atenção Vicariato Suburbano!

sexta-feira, 27 de junho de 2014

Pastoral do Menor promove Projeto Jovem Aprendiz

Levando uma mensagem de esperança e abrindo os horizontes de jovens que lutam por um futuro melhor, a Pastoral do Menor da Arquidiocese do Rio desenvolve diversos projetos voltados para a promoção humana.
            São inúmeras crianças e adolescentes que vêm sendo beneficiados com os cursos de capacitação, acompanhamento de assistência social e indicações para funções no mercado de trabalho. Oportunidades que são oferecidas através das parcerias que a Pastoral do Menor realiza com diversas instituições.
            Uma das ações que tem capacitado jovens para serem inseridos no mercado de trabalho é o Projeto Jovem Aprendiz, que direciona adolescentes para trabalhar em empresas.
Segundo uma das psicólogas da Pastoral do Menor, Maria Escócia, os adolescentes que participam dos processos de seleção são indicados por comunidades parceiras e pelos grupos da pastoral espalhados nas comunidades.
            “Quando as empresas nos disponibilizam vagas, marcamos um encontro para escolher pessoas. Normalmente, esses encontros são realizados em dois turnos, em uma unidade do Exército. Muitos desses jovens já caminham com a pastoral, no projeto Pleitear, que cuida de crianças dos 10 aos 16 anos”, relatou.
A alocação de cada um é feita de acordo com o perfil do escolhido e com a necessidade da empresa. “É      aquilo: a pessoa certa no lugar certo terá mais chances de sucesso.” Ao final, dependendo do desempenho, existe a oportunidade de contratação.
            Na jornada de trabalho semanal, cada jovem cumpre uma rotina de trabalho de quatro horas por dia em quatro dias da semana. No quinto dia, participam de um curso patrocinado pela empresa parceira.
            “O turno em que trabalham é alinhado de acordo com o horário em que estudam. A remuneração é por hora trabalhada. Além disso, embora o Ministério do Trabalho determine que ganha vale alimentação apenas quem trabalha mais de 8h, a empresa oferece o beneficio de lanche e transporte. Ao fim do período, todos recebem diploma”, explicou.
            Atualmente, o projeto reúne cerca de 130 jovens, estando 58 com carteira assinada e 11 com emprego informal. Esse número sofre variação com frequência, devido às novas oportunidades que vão aparecendo.
            “É maravilhoso lidar com cada um deles. Porém, é preciso separar as coisas. Quando necessário ‘puxamos a orelha’ e corrigimos com caridade. A vitória deles é a nossa. Nosso pagamento é a satisfação de vê-los bem”, disse Maria Escócia.

Novos horizontes
            Um grande exemplo de superação e conquista é o jovem Luiz Alexandre Pereira Theodoro, que participa da Paróquia São Luiz, em Costa Barros. Em 2010, conduzido por agentes da Pastoral do Menor de sua comunidade, Luiz submeteu-se a um processo de seleção e foi direcionado para o Cefan (Centro de Educação Física Almirante Adalberto Nunes) da Marinha. Depois de seis meses, ingressou como jovem aprendiz.
            “Quando comecei no projeto, fui trabalhar no departamento de pessoal e não sabia quase nada; aliás, eu não sabia nada. Não mexia com computador, porque minha família é moradora de comunidade carente e não podíamos comprar um. Minha falta de conhecimento era tanta, que eu nem sabia ligar o computador. Hoje, sinto que cresci e estou decolando para novos voos”, contou.
            Luiz acredita que o trabalho da Pastoral do Menor é capaz de “salvar a vida dos jovens e dar a oportunidade de sonhar”. Por meio desta ação, muitos são incluídos no mercado de trabalho.
            “A presença dos agentes da Pastoral do Menor nas comunidades carentes é uma oportunidade para muitos mudarem de vida. Ao imaginar um ‘menor carente’, muitas pessoas acham que não chegarão a lugar algum. Isso não é verdade. Eu fui menor carente, sou negro, e hoje estou aqui, vencendo”, disse.
            Depois de admitido por uma empresa, como assistente administrativo, Luiz está cursando o segundo período da faculdade, em Recursos Humanos. Para o futuro, almeja ser coordenador de um departamento de pessoal, e cursar uma pós-graduação em administração.
Confiante em Deus
            Na história de vida da jovem Micaela Oliveira da Silva, a família sempre foi uma base de fortalecimento, e a motivação para que buscasse vencer os desafios e conseguisse um lugar no mercado de trabalho.
            “Falar da minha família me emociona muito, pois eles são verdadeiros exemplos de vida para mim. Minha mãe, apesar de ter tido uma vida sofrida e cheia de desafios, foi excelente e lutou comigo para conseguir o melhor. Sempre fui ensinada a colocar Deus na frente das minhas decisões, e a nunca passar por cima de alguém”, contou.
            Encaminhada pelo o Centro Comunitário de Vila Kennedy e pela Pastoral do Menor local, Micaela também passou pelo processo de seleção e foi incorporada ao Projeto Menor Aprendiz no RH de uma empresa.
            “A oportunidade surgiu no momento em que eu estava indecisa sobre o que faria na minha vida profissional. Ter sido escolhida para o Jovem Aprendiz mudou meu destino. Para muitas pessoas, ser jovem aprendiz é pouca coisa, mas para mim, posso dizer que foi uma das grandes lições para crescer como pessoa. Foi nessa atividade que descobri o que gostaria de ser. Sou muito grata a tantas pessoas que foram além de seu dever profissional, e tiverem um olhar fraterno e solidário com quem precisava”, ressaltou.
            Assim como Luiz, Micaela também foi efetivada como assistente administrativa do departamento de pessoal. Para o futuro, a jovem deseja cursar Psicologia, lidando com pessoas, e fazer uma prova para a Marinha.
            Para tantos jovens que também anseiam por uma boa oportunidade na vida profissional, a jovem Micaela deixou a mensagem: “Deus tem algo grande para a vida de cada pessoa, independentemente da realidade do mundo, das drogas e de toda a violência com que convivemos. Acredito que todos têm uma missão na terra, e Deus vem capacitar cada um para que tenha forças para vencer. Além de conseguir, devemos ser exemplo para as pessoas que se julgam coitadinhas e pequenas. Cada um tem o seu valor, basta se dedicar, e conseguimos realizar nossos sonhos”.

Fonte: www.arqrio.org / Natassha Cotts (natassha@testemunhodefe.com.br)