Assembleias Vicariais

Assembleias Vicariais

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

A caminho do Sínodo Ordinário

D. Orani João Tempesta
Cardeal Arcebispo do Rio

A Terceira Assembleia Geral Extraordinária do Sínodo dos Bispos, que aprofundou os desafios pastorais sobre a família no contexto da evangelização, foi uma segunda etapa de um processo de aprofundamento que o Papa Francisco está inovando neste tempo de mudança de época.
Em 2015 estaremos comemorando o cinquentenário da criação deste instrumento, fruto do Concílio Vaticano II e criado pelo Papa Paulo VI, beatificado no domingo passado. É um organismo que ajuda a Igreja a aprofundar os temas importantes da atualidade, consultando as bases e refletindo com os bispos em assembleia, que entregam ao Papa suas sugestões sobre o assunto, que, a seu devido tempo, se encarrega de escrever e publicar um documento chamado “Exortação pós-sinodal”.
Em fevereiro deste ano o Papa Francisco quis que uma primeira abordagem sobre o tema acontecesse no Consistório quando o Cardeal Kasper fez a sua colocação sobre o assunto. Muito já se falou desse texto e desse pronunciamento.
A Secretaria Geral do sínodo enviou para todas as dioceses do mundo uma consulta com um texto sobre o assunto e perguntas para serem respondidas por todos os interessados, o que aconteceu pelo mundo afora. Dessas respostas gerou-se o documento de trabalho que serviu de base para esta Assembleia Extraordinária. Do texto gerado por ela deverá sair um novo documento com perguntas para serem respondidas pela Igreja toda, que desencadeará um novo instrumento de trabalho para a 14ª Assembleia do Sínodo Ordinário, convocada para outubro de 2015 e que é sobre a vocação e missão da família na Igreja e no mundo contemporâneo.
A imprensa deu muita cobertura sobre o tema desde o primeiro momento que foi anunciado. De certa forma se nota que há um grande interesse para saber por onde se move a Igreja com relação a esse tema tão importante para a sociedade. Aliás, ele já foi aprofundado no passado e gerou o documento papal “Familiaris Consortio”. Agora é uma nova abordagem sobre as novas situações que a família enfrenta hoje.

O grande desafio hoje é como repropor as pessoas, em especial aos jovens, a beleza da família e a necessidade de vínculos definitivos e fiéis. A sociedade hodierna vai por outros caminhos. E a Igreja sabe que aqui se joga o futuro da humanidade.
Por outro lado também a Igreja, como mãe carinhosa, procura ir ao encontro das pessoas e famílias que, no decorrer da caminhada, foram machucadas pela vida e pela história. O Papa junto com o Sínodo demonstraram grande interesse em encontrar caminhos para que pudessem sentir a proximidade da Igreja ao mesmo tempo que encontrassem acolhida e cura de suas feridas. O Papa lembrou que não seria apenas um colocar ataduras em cima de chagas abertas sem primeiro ajudar a cura das mesmas. Ou seja, será necessário aprofundar com honestidade e carinho os caminhos.
Alguns assuntos polêmicos mereceram um destaque da imprensa: a comunhão dos casais de segunda união e mesmo a possibilidade dessa outra união, como também a questão dos homossexuais. Sabemos que muitas pessoas devido ao tipo de noticiário ficaram atônitas diante das várias versões que foram publicadas. O clima no Sínodo foi muito sincero em colocar os problemas e fraterno na discussão dos mesmos. O grande interesse é como anunciar o Evangelho hoje e também estar próximo das pessoas que sofrem em nosso tempo devido a tantas situações que a modernidade conduziu as pessoas.
O Papa Francisco disse que temos que ser criativos e nos deixar surpreender por Deus e que uma Igreja evangelizadora “se ajoelha para lavar os pés”, “se envolve”, “estende pontes para diminuir as distâncias”, “se abaixa quando é necessário”, “abraça a vida humana e toca na carne do sofrimento dos outros”.
Como é que a Igreja pode desenvolver cada vez mais essas características? O Papa Francisco acredita que o caminho é a misericórdia. No coração da “Evangelii Gaudium”, ele cita o Doutor Angélico: “Tomás explica que, no tocante às obras externas, a misericórdia é a maior de todas as virtudes: “em si, a misericórdia é a maior das virtudes, uma vez que todas as outras giram em torno dela e, mais do que isso, ela supre as suas deficiências’” (“Evangelii Gaudium”, 37). Ao passar às consequências pastorais deste caminho da misericórdia, o Papa diz que, “quando falamos mais da lei do que da graça”, temos como resultado um desequilíbrio, no qual a nossa mensagem deixa de ter “a fragrância do Evangelho” (EG, 38-39).
Numa época de confusão quase universal sobre Deus e sobre o ser humano, como é que vamos transmitir uma mensagem de graça e de misericórdia sem negligenciar o magistério da Igreja? Era uma das perguntas que nos faziam durante o Sínodo: como conciliar a doutrina com as necessidades pastorais? Uma dificuldade é que a enunciação daquilo em que acreditamos já é sentida como um ataque contra as pessoas que vivem de forma diferente. Abre-se uma distância acentuada entre nós, quando deveríamos promover um vínculo materno muito próximo.
Outra dificuldade é o fato de que falar mais sobre a graça e o perdão do que sobre a lei parece implicar um risco moral em todos os contextos comuns: por que não haveria esse risco também nas questões espirituais? Não há uma resposta fácil para isto.
São questões difíceis. Neste sentido, o Papa está nos levando a aprofundar e encontrar caminhos necessários para a missão evangelizadora da Igreja. O Papa Francisco espera do Sínodo um trabalho árduo em cima de um caminho de misericórdia, aplicado à crise humanitária mais urgente dos nossos dias: o fracasso epidêmico em viver o casamento e a família de maneira coerente com o autêntico florescimento humano. Há uma mudança de conceitos e de valores impressionante no mundo de hoje. Como agir nesse contexto sem deixar as verdades da revelação e, ao mesmo tempo, encontrando caminhos de proximidades daqueles que passam pelos ferimentos das batalhas da vida?
No prefácio do instrumento de trabalho desta Assembleia Extraordinária lembra: “Esta ênfase na misericórdia tem tido um grande impacto, inclusive nas questões relativas ao casamento e à família, na medida em que, longe de qualquer tipo de moralismo, ela confirma a perspectiva cristã sobre a vida e abre novas possibilidades para o futuro, independentemente de limitações pessoas ou de pecados cometidos. A misericórdia de Deus é uma abertura para uma contínua conversão e um contínuo renascimento”.
O tema da misericórdia está cada vez mais em primeiro plano como um ponto de vista importante no anúncio do Evangelho, a relação destacou que a misericórdia não elimina a verdade e não a relativiza, mas leva a interpretá-la corretamente no contexto da hierarquia das verdades. “A misericórdia, portanto, tampouco anula os compromissos que nascem das exigências do vínculo matrimonial. Estes continuam subsistindo, inclusive quando o amor humano se debilitou ou cessou”, assinala o texto.
A mensagem final inicia recordando a importância da família: “Manifestamos a nossa admiração e gratidão pelo testemunho cotidiano que vocês oferecem a nós e ao mundo com a sua fidelidade, fé, esperança e amor”. E conclui: “vos pedimos para caminhar conosco em direção ao próximo Sínodo”. Portanto, o caminho foi aberto e traçado. Cabe durante este ano que nos separa do Sínodo Ordinário aprofundarmos os temas e rezarmos para que o Espírito Santo nos inspire os melhores caminhos e soluções para que, como cristãos e católicos, fermento no meio da massa, fazermos a nossa parte neste tempo de tantas mudanças, indo ao encontro das várias necessidades e indicando caminhos de superação. “Senhor, doa a todos a possibilidade de ver florescer uma Igreja sempre mais fiel e credível, uma cidade justa e humana, um mundo que ame a verdade, a justiça e a misericórdia”.