Assembleias Vicariais

Assembleias Vicariais

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Novena de Natal

Cardeal Orani João Tempesta
Arcebispo do Rio de Janeiro

O tempo do Advento é constituído das quatro semanas que antecedem o Natal do Senhor. É, portanto, tempo de piedosa espera. Ora, esperar uma pessoa querida requer alegre e cuidadosa preparação.  Esta preparação para o Natal tem dupla característica: tempo de preparação para as solenidades do Natal, nas quais se recorda a primeira vinda do Filho de Deus ao meio dos homens, e, simultaneamente, tempo em que, com esta recordação, os espíritos se dirigem para a expectativa da segunda vinda de Cristo no final dos tempos.  Celebrando a cada ano este mistério, a Igreja nos exorta a renovar continuamente a lembrança do tão grande amor de Deus para conosco. A bela liturgia da Igreja, da missa, das horas com seus cânticos e sinais nos ajudam a abrir o coração. A celebração penitencial e os sinais caritativos durante esta época nos fazem converter os corações. A atitude de oração contínua abre-nos, por Cristo, em Cristo e com o Espírito Santo, à contemplação do rosto do Pai, colocando-nos em comunhão e sintonia com a Trindade, fonte de santidade, de alegria e da verdadeira paz.
Uma tradição religiosa que costuma ser realizada na preparação de momentos importantes, a Novena faz parte do patrimônio da religiosidade popular. Diante do Advento, vivido pela Igreja antes da celebração do Natal, não poderia ser diferente. A montagem do presépio, a intensificação do espírito de caridade e a Novena de Natal fazem parte da vida dos cristãos.
A Novena do Natal em família ou em pequena comunidade é uma expressão belíssima de preparação cristã do Natal. Em nossa arquidiocese, o tema deste ano é o “Natal da Esperança”! Participe de algum grupo da sua comunidade, vizinhança, condomínio,  apartamento ou mesmo no seu ambiente de trabalho. O espírito do Natal é a aproximação entre as pessoas, que cria a cultura do encontro. Só com a cultura do encontro superamos o individualismo e o isolamento que empobrecem a vida.

Natal é festa de luz! Inúmeras lâmpadas coloridas enfeitam as fachadas e interiores das casas, ruas e igrejas. É tempo de festejar o nascimento do Menino Jesus, a luz que é fonte e origem de toda a criação e que veio nos visitar. Cremos que Ele é quem dá contorno à vida e a tira da escuridão. Porém, a grande luz deve estar na vida e no coração de todos nós que esperamos celebrar um Natal cristão que nos aprofunde no acolhimento d’Aquele que veio, vem e virá.
A Novena do Natal com o tema da esperança que a nossa arquidiocese propôs é justamente a oportunidade de preparar o próximo ano, quando este tema será enfocado em todas as atividades pastorais. Nos textos de nossa conferência episcopal será sobre o tema da luz segundo João, preparando o Mês da Bíblia do próximo ano. Outras dioceses e regionais também enfocaram o Natal através de vários temas. Em suma, é uma oportunidade de vivenciarmos o Natal e aprofundarmos nossa fé e nossos relacionamentos com os nossos vizinhos. Meditando a vida e os ensinamentos de Jesus, nos é dada a oportunidade de iluminar as nossas ações.
A segunda atitude é a da reconciliação. É a reconciliação com Deus-Trindade e reconciliação com as pessoas: familiares, parentes, amigos e colegas de trabalho. É bom celebrar o Natal livre dos ressentimentos, das mágoas, do rancor contra os nossos semelhantes. Lembre-se: o perdão é o mais salutar remédio para curar as feridas causadas pelas desavenças. Por isso, voltemos aos confessionários para procurar a graça de Deus. Nesses dias acontecem os mutirões de confissões, nos quais oportunidades de confessores extraordinários são dadas a todos os paroquianos. Todos deveriam aproveitar essa ocasião para preparar os seus corações para ser a digna morada do Senhor Jesus. Além disso, tenho certeza de que os nossos padres se colocam à disposição em conformidade com as necessidades dos fiéis para o atendimento da confissão auricular, pois uma confissão individual completa nos afasta do pecado e nos resgata a graça santificante.
A terceira atitude é a caridade.  O tempo do Advento é propício para o exercício da solidariedade e amor fraterno às pessoas mais necessitadas e sofredoras. Atos de solidariedade dignificam e enobrecem a alma humana! Os gestos solícitos de bondade e de generosidade encantam a vida, tornando-a bela e grandiosa! Porquanto, a alegria e a felicidade de viver encontramos nos pequenos gestos de bondade e solidariedade em favor dos irmãos.  Neste tempo que antecede o Natal, vamos escancarar as portas do coração e da vida para acolher o Rei dos Reis que vai chegar! Jesus é o “Príncipe da paz” (Mq 5,4) que veio instaurar o reino de fraternidade e paz no mundo!
Portanto, a Novena está em consonância com a exortação apostólica do Papa Francisco, “A alegria do Evangelho”, que fala da conversão pastoral. É também uma resposta à recente proposta lançada durante a 52ª Assembleia Geral da CNBB, que ofereceu à Igreja no Brasil o documento “Comunidade de comunidades: uma nova paróquia”. A conversão pastoral da paróquia passa pela vivência comunitária, na sua comunidade, dos valores do Evangelho.
Formemos nossos grupos de Novena do Natal e preparemo-nos publicamente para o nascimento do Redentor.

Fonte: http://arqrio.org/formacao/detalhes/626/novena-de-natal