Retiro Arquidiocesano

Retiro Arquidiocesano

sexta-feira, 22 de maio de 2015

O Espírito nos une na mesma fé

D. Orani João Tempesta
Cardeal Arcebispo do Rio de Janeiro

Chegamos ao final do tempo pascal! Celebramos a Festa Solene de Pentecostes! A experiência pascal continua na Igreja. O Espírito Santo nos foi dado para continuarmos a missão de Jesus! Depois de uma semana ou novena de preparação que coincide também com a semana de orações para a unidade dos cristãos, viveremos a grande vigília e Festa de Pentecostes! Hoje, o Espírito Santo desceu sobre os apóstolos no Cenáculo e a Igreja iniciou a sua missão pública. Eis: é tudo! E, no entanto, isso é dizer tão pouco! É muito mais rico e profundo o Mistério que hoje celebramos!
Com esta solenidade encerramos o Tempo Pascal, aqueles 50 dias que a Igreja celebra como se fosse um só dia, santo e glorioso, o Dia da Ressurreição. Ao apagar o círio pascal no final de última celebração dominical, recordaremos que essa luz nos foi entregue para que sejamos aqueles que a levam pelo testemunho e pela palavra pela vida afora. É o Senhor Ressuscitado que roga ao Pai que hoje nos doa o seu Espírito. O dom do Espírito é fruto da Páscoa de Cristo: é no Espírito que nossos pecados são perdoados, é no Espírito que o fruto da paixão e morte de Cristo nos é dado, é no Espírito que somos transfigurados à imagem de Cristo Jesus, que nos convertemos a cada dia, que somos enviados em missão, que compreendemos a missão de Jesus, que experimentamos a força para dar testemunho.
Sem o Espírito tudo seria apenas uma organização humana e de nada valeria para nós tudo quanto Jesus por nós disse e fez! Se neste domingo, na primeira leitura, o Espírito aparece agindo de modo tão vistoso e visível no Cenáculo de Jerusalém (como a tempestade, o terremoto e a erupção vulcânica descritos no Sinai – cf. Ex 19,3-20), é para que nós compreendamos que ele age em nós constantemente, discreto e suave, como a brisa que passou diante de Moisés e Elias, fazendo-os encontrar a Deus! Eis, portanto: o Espírito é dado pelo Cristo ressuscitado, que o soprou sobre a Igreja no próprio Dia da Ressurreição – como escutamos no Evangelho de hoje –, e continua a soprá-lo sobre nós, no sinal visível da água no sacramento do Batismo e do óleo, na santa Crisma.
No Cenáculo, no dia mesmo da Páscoa, os apóstolos receberam o Espírito Santo para a missão e daí saíram para anunciar o Cristo Ressuscitado a todas as nações. No nosso Batismo, banhados pela água, símbolo do Espírito, nós também recebemos em nós o Espírito de Cristo e nos tornamos cristãos, templos do Santo Espírito, chamados a viver uma vida segundo o Espírito de Cristo e, consequentemente como animados e ardorosos missionários. Por isso, o conselho de São Paulo: “Procedei segundo o Espírito e não satisfareis os desejos da carne”. O cristão, caríssimos, vivendo no Espírito desde o Batismo, já não vive mais segundo a carne, isto é, segundo a mentalidade deste mundo, segundo o pecado. Agora, ele é impulsionado pelo Espírito de Cristo, crescendo cada vez mais nos sentimentos do Senhor Jesus. Isto é a obra do Espírito, que nos vai cristificando, dando testemunho de Cristo em nós (Jo 15,26), conduzindo cada um de nós e a Igreja inteira à plena verdade de Cristo (cf. Jo 16,13). Portanto, é somente porque somos sustentados pelo Espírito que podemos crer, com toda certeza, que Jesus está vivo e é Senhor e que Deus, o Pai de Jesus, é também nosso Pai, porque nos deu o Espírito do Filho, que nos faz filhos (Rm 8,16).

Foi este Espírito Santíssimo que veio de modo portentoso em Pentecostes, a festa judaica da Lei, 50 dias após a Páscoa. O Espírito de amor é a nova lei, a Lei do cristão, pois “O amor de Deus foi derramado em nossos corações pelo seu Espírito que os foi dado” (Rm 5,5)! Anotemos o sentido profundo daquele acontecimento 50 dias após a Páscoa, em Jerusalém! O Espírito encheu de coragem e vigor os apóstolos, de modo que eles abriram as portas e, ao lado de Pedro, o Chefe da Igreja, deram publicamente testemunho de Cristo. A Igreja abriu as portas para nunca mais fechar; falou por Pedro para nunca mais se calar! É, portanto, na força do Espírito, que a Mãe Igreja iniciou publicamente sua missão de levar o Evangelho a todos os povos. Mais ainda: o Espírito atrai e reúne línguas e pessoas tão diversas.
Estavam em Jerusalém judeus vindos de várias partes do Império romano, judeus que não falavam mais o hebraico nem conheciam o aramaico; e, no entanto, compreendiam o que os apóstolos falavam, como se fosse na sua própria língua! É o Espírito quem reúne o que está disperso, é o Espírito quem conserva a unidade, é o Espírito quem, na unidade, faz permanecer a rica diversidade das línguas, culturas e mentalidades, sempre para a glorificação do Senhor Jesus! É o Espírito quem embriaga de alegria, como um vinho bom, o vinho do Reino, o vinho novo de Caná da Galileia, que tomou o lugar da velha água da Lei! É o Espírito quem impele a Igreja para a missão, testemunhando Jesus pela proclamação da Palavra, pela celebração dos santos sacramentos e pelo testemunho santo da vida dos cristãos que, sustentados por este Santo Paráclito, são capazes de dar a vida por Jesus e com Jesus.
A solenidade que nos faz retomar a consciência do papel e da missão do Santo Espírito na vida da Igreja e na nossa vida. Sem o Espírito, a Igreja seria somente a “Fundação ou Associação Jesus de Nazaré”, que recordaria alguém distante e que teria ficado no passado. Sem o Espírito, a vida dos cristãos seria apenas um moralismo opressor, tentativa inútil de colocar em prática mandamentos exigentes que o Senhor nos deu. Sem o Espírito, a evangelização seria apenas uma propaganda, um exercício de marketing.
Sem o Espírito, a nossa esperança seria em vão, porque o que nasce da carne é apenas carne, e nossa alma e nosso corpo jamais alcançariam a Deus, que é Espírito! Mas no Espírito, tudo tem sentido, tudo se enche de profunda significação: com o Espírito, a Igreja é o Corpo vivo de Cristo, no qual os membros recebem a vida que vem da Cabeça, a seiva que vem do Tronco, que é Cristo; com o Espírito, Jesus está vivo entre nós e nós o recebemos de verdade em cada sacramento que celebramos; com o Espírito, os mandamentos podem ser cumpridos na alegria, porque o Espírito nos convence que eles são verdadeiros e libertadores e nos dá, no amor de Cristo, a força para tentar cumpri-los na generosa alegria; com o Espírito, a obra da evangelização é testemunho vivo do Senhor Jesus, dado com a convicção de quem experimentou Jesus; com o Espírito, já temos a garantia, o penhor da ressurreição, pois comungamos a Eucaristia, alimento espiritual, que nos dá a semente da vida eterna (cfr. Atenágoras).
Que neste Ano da Esperança, com a atividade concreta baseada na missão permanente em nossa arquidiocese, todos nós nos disponhamos a deixar-nos conduzir pela ação do Espírito Santo à semelhança de Maria, cujo mês comemoramos! Temos a certeza de que veremos acontecer maravilhas entre nós! Não tenhamos medo de acolher esse grande dom de Deus em nossas vidas e deixar-nos conduzir por Ele: o Espírito Santo! “Vinde, Pai dos pobres, dai aos corações vossos sete dons” (Sequência de Pentecostes)!