Retiro Arquidiocesano

Retiro Arquidiocesano

terça-feira, 29 de setembro de 2015

Discurso do Papa Francisco na Festa das Famílias na Filadélfia

Papa Francisco fala sobre amor, verdade e beleza em discurso na Festa das Famílias na Filadélfia

            Um testemunho verdadeiro nos leva a Deus, porque Deus é beleza e verdade. Um testemunho dado para servir é muito bom, nos torna bons, porque Deus é bondade. Tudo o que é bom, nos leva a Deus. Beleza, bondade e verdade nos levam a Deus.
            Muito obrigado a todos aqueles que nos deram a mensagem e a presença de todos vocês também dão testemunho de que vale a pena a vida em família, de que uma sociedade cresce forte, boa, formosa e verdadeira se é edificada sobre a base da família. Uma vez, uma criança me perguntou (vocês sabem que as crianças fazem perguntas difíceis): ‘ O que fazia Deus antes de criar o mundo?’ Asseguro-lhes que foi muito difícil responder, mas eu disse: ‘Antes de criar o mundo, Deus amava, porque Deus é amor.’
            Era tão grande o amor que tinha entre o Pai, Filho e Espírito Santo que transbordava e não sei se é muito teológico, mas quero que saibam, era tão grande que não podia ser egoísta, tinha que sair de Si mesmo para ter alguém para amar fora Dele e aí Deus criou o mundo e fez essa maravilha que nós vivemos. Estamos destruindo o que fez Deus, diz a bíblia, que é a família. Deus criou o homem e a mulher, deu tudo a eles. Entregou o mundo, e disse que crescessem, multiplicassem, cultivassem a terra. Fizessem crescer todo o amor que colocou nessa criação maravilhosa, que entregou a uma família.
            Vamos voltar um pouquinho, toda a beleza, verdade que tem em Si, Deus entregou à família e uma família é, verdadeiramente, família quando é capaz de abrir os braços e receber todo esse amor. Por isso que o paraíso não está aqui, a vida tem seus problemas. Os homens, pela astúcia do demônio, aprenderam a dividir-se e todo esse amor que Deus derramou quase se perde. O primeiro crime, primeiro fratricídio, um irmão matou o outro, afetando o amor, beleza e verdade de Deus. Brigas, posições diferentes, estão nos caminhamos de hoje. Toca a nós decidir o caminho a seguir.
            Mas, vamos voltar, quando o homem e sua esposa erraram, se distanciaram de Deus. Deus não os deixou sozinhos, tamanho é o amor pela humanidade. Ele começou a caminhar com seu povo até chegar o momento em que mandou Seu filho e foi mandado não a um palácio, mas a uma família. Deus entrou no mundo através de uma família. Essa família tinha o coração aberto, tinha as portas abertas.
            Vamos pensar em Maria, ela não podia acreditar: ‘Como pode isso acontecer?’ E quando explicaram, ela aceitou. Pensem em José, ele também não entende, mas aceita, obedece. E na obediência dessa mulher e desse homem há uma família através da qual Deus sempre bate às portas do coração. Ele gosta de fazer isso, sair de dentro. Mas, o que mais gosta é bater às portas da família e encontrá-la unida, da família que faz seus filhos crescerem, e que criam uma sociedade cheia de bondade, verdade e beleza.
            Estamos na festa da família, a família tem carta de cidadania divina. A carta que tem a família foi Deus quem deu para que, no seu seio, crescesse cada vez mais a verdade, a beleza e o amor. Alguns de vocês poderiam dizer: ‘Padre, o senhor fala assim porque é solteiro e a família está em dificuldades. Na família nós discutimos; nas famílias, às vezes, voam uns pratos; os filhos dão dor de cabeça!’

            Na família sempre tem cruzes, mas o amor de Deus vem sempre à luz, o amor de Deus nos abre o caminho. Depois da cruz tem a ressurreição, porque o filho de Deus nos abriu esse caminho, por isso a família é uma fábrica de esperança, esperança de viver a ressurreição. Foi Deus quem abriu esse caminho. Os filhos dão trabalho, às vezes, em casa, os colaboradores vêm trabalhar com orelhas, porque eles têm bebês de poucos meses e eu pergunto: ‘Você não dormiu?’.
            Na família há dificuldades, porém essas dificuldades se superam com amor e o ódio não supera nenhuma dificuldade. A divisão dos corações não supera nenhuma dificuldade, somente o amor é capaz de recuperar. O amor é festa, é alegria, é seguir avante.
            Eu gostaria de destacar dois pontos da família e sobre os quais gostaria que tivessem um especial cuidado, as crianças e os avós.
            As crianças são o futuro, a força para ir para frente, são neles que colocamos as esperança e os avós são a memória da família, são os que nos recordam e que nos transmitem a fé. Cuidar dos avós e cuidar das crianças é a demonstração de amor, não sei se maior, mas poderia dizer, mais promissora da família, porque promete o futuro. Um povo que não sabe cuidar das crianças e não sabe cuidar dos seus avós é um povo sem futuro, porque não tem a força e a memória que nos leva para frente.
            A família é maravilhosa, mas o problema é que a família, às vezes, tem inimizades, brigas com a mulher, os filhos com o pai. Vou dar um conselho, nunca terminem o dia sem fazer a paz, em uma família não se pode terminar o dia em guerra!
            Que Deus os abençoe e dê força, os anime a seguir avante. Vamos viver a família, defender a família, porque ali está nosso futuro e rezem por mim!

Transcrição e adaptação: Míriam Bernardes

Fonte: http://papa.cancaonova.com/discurso-do-papa-francisco-na-festa-das-familias-na-filadelfia/